VISLUMBRES


View My Stats

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

(CON)TRASTE - Seis décimas para desafiar a mo(r)te sem glosar mote algum




Voz do comando final
Destoutra rebelião,
Mesmo que eu diga que não,
Que te erga o punho e proteste
Negando que aqui vieste
Sem bater, nem dar sinal,
Pôr fim, a bem ou a mal,
A quanto sobre à função
De ir conjugando alma e mão
Em versos que me não deste
E, decerto, não escreveste,
Mas nos quais deixaste o sal, 

De nada me servirá,
Mas… que fazer, se esta vida
Me pede pr`a ser vivida
Toda do lado de cá?
Sei que, nem boa, nem má,
Esse teu ciclo cumprindo,
Não te orgulhas de ter vindo
E, à força de tão cumprida,
Tanto te faz que eu decida
Dizer que de ti prescindo… 

Alguns chamam-te destino,
Eu, muito pelo contrário,
Dar-te-ei, de modo vário,
Um nome menos latino,
Mais simples, mais pequenino,
Em jeito de desafio
Pois, já que morro de frio,
De ti cobro o estranho erário
De mudar-te o corolário
Nas contas que aqui desfio! 

Aqui deixo, à revelia
Da vontade que nem tens,
Como se escólio de bens,
O nome que me ocorreu
Pois, nem inferno, nem céu,
Antes sal de humana origem,
Me surge em estranha vertigem
Num verso a que não convéns
Já que terminá-lo vens
Quando o sei ser muito meu, 

Ponto final que resultas
De um percurso acidentado,
Circunstância, tempo errado,
Poder no qual nunca exultas,
(Sei que as pessoas mais… “cultas”
criticarão quanto digo,
mas, “isto” nasceu comigo
e trago-o tão bem pensado,
tão sentido e tão estudado,
que ouso e desdenho um tal p`rigo!) 

Coisa comum que magoas,
Banalidade inclemente
Que arrebatas são, doente,
Gentes mesquinhas e boas,
Que, num segundo, atordoas
E noutro te retiraste
De quanta dor cá deixaste,
Só sei que fico contente
Por saber fazer-te frente
Quando te chamo “(con)traste”!



Maria João Brito de Sousa – 08.11.2013 – 14.31

12 comentários:

Mar Arável disse...

Nos apeadeiros da vida
à sempre um barco improvável
que se despede
para ser memória

Lídia Borges disse...


Aqui me perco, me espanto e encanto

Muito bom, Maria João!


Um beijo

Maria João Brito de Sousa disse...

Sempre, Mar Arável!

Vou até aí deixar o meu abraço!

Rogerio G. V. Pereira disse...

Li como me pediste
Em voz alta
Em verso soletrado

Voltei a sentir o que sentira

Fiquei dividido
Entre a beleza do lido
E a proximidade de tal p`rigo

Maria João Brito de Sousa disse...

:) Também eu me deixo perder na Seara, Lídia...

Beijo!

Maria João Brito de Sousa disse...

És um bom amigo, Rogério...

As coisas não estão muito boas mas, enquanto escrevo, vivo milénios por hora, acredita!


Beijo!

heretico disse...

entrei de punho erguido
e saí arrebatado
com tão belo poema
seja em mote que for:
recorte vicentino
ou glosas de ledo amor

glosas de meu destino
é ler-te em tua arte
que mais que contraste
é prazer e desatino
não de inferno nem do céu
mas celeiro de amizade

(desculpa o "atrevimento" poético)

beijo

Maria João Brito de Sousa disse...

Foi um belíssimo "atrevimento" poético, Heretico!


Vou aí!

São disse...

Não ouso tentar sequer deixar-lhe um poemeto, mas que gostei muito...pode crer!

Bom serão de S. Martinho, Maria João

Maria João Brito de Sousa disse...

Ó São, deixe o seu poema à vontade!

Obrigada e um abraço grande!

AC disse...

Ah, Maria João, quanta convicção eu sinto nas palavras, todas elas impregnadas em dignidade...!

Abraço

Maria João Brito de Sousa disse...

Abraço, AC! :)