VISLUMBRES


View My Stats

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

MEADAS

(Soneto em decassílabo heróico)


Serás sempre meada, inteira ou não,
Dum fio de vida em breve desfiar
E quer possas, quer não, terás de ousar
Cumprir-te numa tal contradição...

Hoje, amanhã, depois... continuar!
Que o Tempo, sem a tua permissão,
Sem pedir-te licença pr`avançar,
Passou-te à frente e nem pediu perdão...

Mas, venha lá quem venha, a vida é tua!
Se a alma não protesta, o corpo sua
E bem mais sofrerá se não te ergueres,

Se não brandires ao vento, em cada rua,
De braço levantado, a voz que estua
No punho das palavras que trouxeres!



Maria João Brito de Sousa – 16.01.2012 – 02.20h


11 comentários:

Rogério Pereira disse...

Sem me apropriar, acho que este poema é meu!

Maria João Brito de Sousa disse...

:) "Apropria-te" à tua vontade... eu confesso que o "perdi" no Face e já nem me lembrava dele... e é um poema dos nossos, dos que resistem, dos que não desistem e denunciam...

Pela primeira vez nestes cinco anos - mais... - reconheço que já nem daquilo que produzo consigo "tomar conta"...

Preciso de dois ou três dias de "férias"...


Abraço grande e um tanto ou quanto envergonhado... pois se até na única coisa que sabia fazer bem, começo a falhar... :(

heretico disse...

poema com perfume a cravos vermelhos...

admirável tua voz levantada - como um punho erguido...

soneto perfeito.

beijo

Maria João Brito de Sousa disse...

Obrigada, Heretico!

Recordo-me que este poema me nasceu na caixinha de comentários, em resposta a um amigo que me deixou um belo soneto nos comentários do outro blog, que dedico apenas aos sonetos... mas andava "perdido", no meu sobrepovoado mural do Facebook...

Abraço!

O Puma disse...

Erguidos sim

Maria João Brito de Sousa disse...

Esses serão sempre erguidos - mesmo que o sejam metaforicamente... - Puma!

Sempre!

O meu abraço!

Maria João Brito de Sousa disse...

Esses serão sempre erguidos - mesmo que o sejam metaforicamente... - Puma!

Sempre!

O meu abraço!

Luís R Santos disse...

Sempre tão perfeita, nas rimas, na construção, no final, etc. Parabéns, Maria João.

Maria João Brito de Sousa disse...

Obrigada, Luís Santos. O meu abraço!

Nilson Barcelli disse...

Apesar de todas as meadas, é preciso resistir e levantar o punho das palavras.
Excelente soneto, no conteúdo e na forma.
Maria João, tem um bom domingo e uma boa semana.
Beijo.

Maria João Brito de Sousa disse...

Obrigada pelas tuas palavras, Nilson!

Um excelente Domingo para ti, amigo!